Ter ou não ter mais um (a) filho (a)

alt


Até hoje, nunca ouvi falar de dois anjinhos ou de dois diabinhos consecutivos. O contraste radical entre irmãos – provavelmente exagerado pelos pais, mas ainda assim – é uma das regras não científicas mais fiáveis que conheço

Antes de abordar o dilema anunciado no título desta crónica, convém esclarecer que não estou encostado à parede e que, sendo uma decisão plenamente livre e consciente, é também hipotética – pelo menos, por enquanto. Mas a dúvida existe, está no ar, e suscita em mim todo o tipo de argumentos a favor e contra.

Comecemos por estes últimos. O mais abstrato e remoto tem a ver com a sustentabilidade da população humana no planeta: 7425 milhões no momento em que escrevo, um número ao qual temos de acrescentar mais duzentos mil habitantes (o equivalente a uma cidade do tamanho de Cascais) a cada dia que passa.

A segunda razão que me anima a ficar por aqui é que já sou pai e, até ver, correu tudo de feição. A lei de Murphy, aplicada aos filhos, implica o seguinte: se o primeiro foi um anjinho (e o Guilherme está neste grupo), o segundo dificilmente o será. Podem achar que estou a ser supersticioso, e terão razão. Mas, até hoje, nunca ouvi falar de dois anjinhos ou de dois diabinhos consecutivos. O contraste radical entre irmãos – provavelmente exagerado pelos pais, mas ainda assim – é uma das regras não científicas mais fiáveis que conheço.

Esta breve lista de contras termina com um argumento tão irritante quanto usado no nosso tempo: “been there, done that”. Apesar de ter sido pai só uma vez, a filha da minha namorada é bastante mais nova que o meu filho, e desde há dois anos estou a percorrer, praticamente de novo, todo o tabuleiro (como acontece às vezes no jogo da glória): fraldas, banhos, carrinhos, colos, cadeirinhas, birras, noites mal dormidas...

Há ainda questões financeiras nada desprezíveis a considerar. Diz-se que “cada filho traz um pão debaixo do braço”, mas aí estaríamos a entrar, novamente, no terreno do miraculoso ou sobrenatural.
No campo dos prós, as hostes também não andam mal apetrechadas. O primeiro ponto a favor é simples: nada, nenhum projeto ou realização, é comparável ao milagre de gerar uma vida humana. Admito que pode soar um pouco lamechas, mas só quem nunca passou pela parentalidade pode ignorar a sua dimensão quase sagrada. Não se trata apenas da euforia que acompanha uma nova vida, ou da vaga de alegria e otimismo que toda a criança, salvo raras exceções, traz consigo. É também, e sobretudo, o amor incondicional e sem prazo de validade.

É verdade que já desfiei anteriormente muitas das vantagens de ser pai, mas o que está em causa aqui é sê-lo por segunda vez. O psicólogo Eduardo Sá afirma que (só) nos tornamos pais com o segundo filho. “Com o primeiro mistura-se tudo: a infância que tivemos e a que queríamos ter tido”. Ou seja, da primeira vez teríamos uma espécie de licença provisória, a carta definitiva seria emitida a partir da segunda paternidade.

Não sei. Confesso que o que mais me atrai, como tantas outras vezes, é a novidade, a possibilidade de criar algo diferente. Mas a novidade estaria garantida fosse qual fosse o resultado de uma gravidez, e isso obriga-me a revelar o que gostaria mesmo de ter, caso decida dar o passo: uma menina. Infelizmente, é uma escolha que só seria possível se o acaso biológico trabalhasse às minhas ordens – algo que, felizmente para todos, não acontece.


Leia outras crónicas de Enrique Pinto-Coelho

Não quero ir ao infantário!

Costas de pai

Sou um super pai feliz

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais