ABC do sono


Dormir é essencial para o desenvolvimento do bebé. Mas poucos bebés dormem como os pais gostariam. Como conseguir que as noites não se transformem numa guerra interminável? encontre algumas respostas neste dicionário.



Acordar e adormecer

Constatação fundamental para qualquer pré ou recém pai: o padrão de sono dos bebés não é igual ao dos adultos. Nenhum bebé dorme uma noite inteira seguida, tranquilamente e sem despertar. Simplesmente, porque não é possível. O sono não é um processo contínuo. É normal os bebés acordarem e adormecerem várias vezes durante a noite: os seus ciclos de sono são mais curtos e mais frequentes do que os dos adultos. Além disso, passam mais tempo na fase do sono leve, contabilizando mais breves despertares do que os adultos. Assim funciona a natureza. Eis a descrição de como a maior parte dos bebés dorme: adormecer, sono leve, sono profundo durante uma hora, breve despertar, sono profundo durante uma ou duas horas, sono leve, breve despertar, movimentos oculares rápidos (sonhos), breve despertar, sono leve, breve despertar, mais sonhos, outra fase de sono profundo (quase de manhã), breve despertar, sonhos, breve despertar, sono leve, despertar. A maioria dos bebés acorda duas ou três vezes durante a noite até aos seis meses e uma ou duas até completar um ano de idade. Como vê, acordar a meio da noite faz parte do sono normal, natural e saudável do seu filho.


Berço

São muitas as opções de camas de grades à venda no mercado. Aconselhamos que se preocupe com a segurança acima de tudo. A Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI) recomenda algumas precauções. O berço deve ser sólido e estável, sem arestas ou qualquer outra saliência suscetível de prender a roupa do bebé ou a corrente da chupeta. O colchão deve ser firme, adaptado ao tamanho da cama. As grades, aspeto muito importante, devem ter uma altura mínima, pelo interior, de 60 centímetros, não devendo ter aberturas superiores a seis centímetros. Confirme sempre se a cama obedece às normas europeias de segurança.


Chorar

Por causa dos inúmeros despertares noturnos (ver Acordar e adormecer), é frequente os bebés chorarem durante a noite. Para desespero dos pais, que veem, muitas vezes, a sua rotina de sono totalmente alterada. Que fazer? Embalá-los, dar-lhes de mamar, cantar-lhes uma cantiga ou deixá-los chorar para que aprendam a voltar a adormecer sozinhos? É uma questão que divide, apaixonadamente, pediatras e psicólogos. Há quem diga que responder constantemente ao “chamamento” do bebé, ou seja, o choro, o impede de descobrir os mecanismos para voltar a adormecer sozinho, ferramenta essencial para conquistar a sua autonomia. O médico Richard Ferber (ver Ferber, Richard), referência norte-americana em matéria de sono pediátrico, é um dos que assim pensa. Segundo Ferber, a estratégia para conseguir que a criança durma a noite inteira sem chamar pelos pais é ensinar-lhe que deve voltar a adormecer sozinha. Isso implica deixá-la chorar durante alguns períodos que podem ir aumentando gradualmente.

Mas há quem defenda exatamente o contrário. “A criança não aprende coisa alguma chorando sozinha, no escuro, durante muito tempo – fica demasiado perturbada para ser capaz de dar os passos necessários para sossegar sem a ajuda dos pais”, escreve o pediatra Berry Brazelton no livro “A criança e o sono” (Ed. Presença). Carlos González, pediatra espanhol, autor do best-seller “Bésame Mucho” (Pergaminho), critica frontalmente os especialistas que defendem a “aprendizagem” do sono, seja por que método for, como deixar a criança chorar ou querer forçosamente que ela durma sozinha: “Dormir, como comer, respirar ou andar, não é um comportamento aprendido. Todos nascemos a saber dormir (…). Quanto mais se separa a forma como queremos que os nossos filhos durmam da forma como é natural para eles faze-lo, mais teremos de os ensinar.”


Dormir com os pais

A partilha do sono é uma prática cada vez mais comum nas famílias ocidentais. Estudos feitos nos EUA indicam que o número de adultos que dorme rotineiramente com os filhos naquele país aumentou mais do dobro entre 1993 e 2000. Mas poucas práticas instintivas na espécie humana têm sido alvo de tantas críticas por parte da sociedade em geral e dos especialistas em particular. É ou não prejudicial para criança dormir com os pais? Não, diz Carlos González: os pais que partilham a cama com o seu bebé “estão a fazer o melhor para o filho (a única coisa que o acalma) e também o melhor para eles (a única coisa que lhes permite descansar).” O cosleeping não condiciona a autonomia da criança, nem a impede de dormir sozinha algum dia, defende o médico. Estudos sobre o sono demonstram que as mães que partilham a cama com os seus bebés têm um sono mais longo e mais reparador. Por seu lado, os bebés que dormem com as mães têm menos episódios de apneia: devido à proximidade, é mais fácil detetar quando alguma coisa não está bem. A amamentação também funciona melhor: o bebé mama quando quer e o processo decorre sem que ambos estejam completamente acordados. Nem sempre há espaço para todos na mesma cama. Por isso, há quem opte por colocar o berço junto à cama de casal, com uma das grades puxada para baixo. Pais e bebé dormem mais à vontade e mantêm a proximidade.


Embalar

Embalar um bebé faz parte dos gestos utilizados para o acalmar, dar-lhe carinho e segurança e ajudá-lo a adormecer. Se o seu filho estiver sonolento e irritável, embale-o de um lado para o outro, ao colo, com uma mão nos ombros e a outra no rabinho. Pode também pô-lo de frente para si e embalá-lo para trás e para a frente, segurando-lhe na cabeça. Os bebés também gostam de ser embalados nos berços. Pode sentar-se ao lado do berço e embalá-lo com o pé enquanto faz outras coisas.


Ferber, Richard

Famoso médico norte-americano, responsável pelo Centro das Perturbações Pediátricas do Sono do hospital pediátrico de Boston e autor de um livro que, apesar de ter sido escrito em meados da década de oitenta, é considerado uma referência ainda hoje: “How to solve your child’s sleep problems” (Como resolver os problemas de sono do seu filho). Ferber popularizou um método de “choro controlado” como forma de habituar os bebés a dormir sozinhos a noite inteira. A estratégia implica deixar o bebé chorar por períodos que podem ir aumentando gradualmente, de dia para dia. Segundo Ferber, desta forma, a criança treina a sua autonomia e descobre que é capaz de se acalmar e de adormecer sem a ajuda dos pais. Muitos são os que se opõem a esta teoria. Alguns estudos neurológicos vieram mesmo dizer que a negação de conforto nos primeiros anos de vida, momento crítico do desenvolvimento do cérebro, é prejudicial ao bebé. Outras investigações concluíram que os bebés que choravam e não obtinham resposta, acabavam por deixar de chorar, é certo, mas sofriam alterações irregulares ao nível do batimento cardíaco, da respiração, dos sistemas digestivo e imunitário e das hormonas de crescimento. O próprio Richard Ferber, numa recente reedição do livro, reviu alguns aspetos do seu pensamento. Por exemplo, em relação ao cosleeping. O médico, outrora crítico desta prática, reconhece agora que cada família sabe o que é melhor para si em termos de rotinas de sono, desde que o método utilizado resulte.



Grades

A partir de uma certa altura, que depende muito de bebé para bebé, o seu filho vai aventurar-se na perigosa e excitante escalada das grades do berço. Pode ser aos doze meses, mais coisa menos coisa, como pode ser aos dois anos. O importante é estar atento à altura em que ele começa a manifestar vontade de subir pelas grades da cama. Vai ficar espantado com a perícia do seu bebé, ele vai conseguir atingir o objetivo a que se propôs, por isso o melhor é baixar logo as grades do berço para evitar mergulhos em queda livre. Prepare-se, claro está, para as visitas noturnas que, a partir de agora, o seu filho lhe vai fazer.


Hábitos

A maneira como o seu filho adormece é determinante para a forma como ele vai voltar a dormir quando acorda a meio da noite. É importante pensar nisto enquanto está a conhecer o seu novo bebé, mas tenha em mente que não existem regras absolutas ou receitas mágicas sobre o sono dos bebés. Sobretudo, nenhuma regra serve para todos os bebés. Há bebés que gostam de adormecer ao colo, outros enquanto mamam. O importante é perceber que, por exemplo, se adormecer o seu bebé ao colo, aninhado a si, quando ele acordar a meio da noite e verificar que está sozinho no berço, vai chorar seguramente. Porque não sabe onde está a mãe. Muito provavelmente, só voltará a dormir se pegar nele ao colo. Alguns especialistas em sono pediátrico como a norte-americana Elisabeth Pantley (ver “Soluções para noites sem choro”) aconselham a que se deite o bebé no berço antes que ele durma completamente. Quer ele adormeça ao colo ou a mamar. “Entenda que esses hábitos bonitos, tranquilos e de amizade são dificílimos de romper, por isso, escolha-os com cuidado”, escreve Pantley.


Independência

Quando dormirá sozinho, a noite inteira, sem chamar por ninguém? É a grande questão. Atingir a maturidade do sono é um processo biológico. Elisabeth Pantley sugere que os pais tentem fazer perceber ao bebé que o berço é um lugar seguro e confortável. Depois podem oferecer-lhe um objeto que transmita segurança (ver Ursinho) e incentivá-lo a dormir com ele.

Estabeleça uma rotina diária a e siga-a. Definir hábitos de sono diurnos e noturnos (diferencie-os claramente), proporcionando momentos agradáveis à hora de dormir vão ajudar a criança a dormir sozinha e a sentir-se segura. A altura em que esta evolução deverá ter lugar depende de bebé para bebé, de família para família. Não force o seu filho a tornar-se independente se vê que ele ainda não está preparado. Vá preparando terreno, mas não o apresse.

No caso de a criança dormir com os pais, a autonomia pode levar mais algum tempo (meses ou mesmo anos), mas, diz quem já passou por isso, que também é mais suave. A mudança ocorre quando a criança sente que está preparada e não por imposição. Por essa razão, muitas crianças que dormem com os pais instalam-se definitivamente no seu quarto de um dia para o outro.


Já a dormir!

Não é possível obrigar uma criança a dormir. Durante o primeiro ano de vida, um bebé acorda várias vezes à noite. Como já foi mencionado, isso não é um problema, é um facto biológico. O problema é os pais quererem que o filho não acorde. Porque os pais é que necessitam de longos períodos de sono ininterrupto. A solução é, então, como diz Elisabeth Pantley, mudar o comportamento do bebé, mas “devagar, com cuidado e respeito”. Sem imposições drásticas.


Leite

À medida que o organismo do bebé vai amadurecendo, é de esperar que ele consiga passar períodos mais longos à noite sem comer. Mas durante os primeiros meses, é normal um bebé acordar com fome. Se estiver a ser amamentado, é ainda mais provável que isto aconteça. Durante os primeiros seis meses de vida, conte com vários despertares à conta da fome. Se o seu bebé dormir quatro horas seguidas, por exemplo, é natural que acorde com apetite. Alimente-o, talvez depois ele durma mais quatro horas em vez de estar sempre a acordar e a chamar por si.

É difícil estabelecer alguma regra quanto à alimentação noturna. Há especialistas que gostam de definir horários e durações para as mamadas, mas cada vez mais se defende a alimentação em regime livre. O bebé deve mamar quando quiser, na mama ou no biberão, noites incluídas. Quando amamentar é a opção, de modo a facilitar o processo, muitas mães acabam por colocar o bebé a dormir perto de si (ver Dormir com os pais).


Morte súbita

Para reduzir o risco de morte súbita, a Sociedade Portuguesa de Pediatria recomenda que os bebés sejam postos a dormir de costas. Vários estudos já vieram demonstrar que esta posição reduz consideravelmente as hipóteses de o bebé ser encontrado sem vida enquanto dorme. Não cubra demasiado o bebé, nem o aqueça em excesso. O colchão deve ser firme e plano. Destape a cabeça do bebé para dormir. Deite-o com os pés tocando o fundo da cama de forma a que não haja risco de ele escorregar para debaixo dos lençóis.


Nariz entupido

Quando as crianças adoecem, a vontade de dormir perto dos pais aumenta. Sentem-se desprotegidas, vulneráveis e carentes. Qualquer carinho adicional é, por isso, bem vindo. Abra uma exceção e leve o seu bebé para dormir consigo. Esse gesto vai ajudá-lo a recuperar mais depressa, seguramente. Tenha em consideração, no entanto, que pode haver consequências. É possível que o seu filho manifeste vontade de querer continuar a dormir perto de si, desejo que poderá revelar que talvez ele ainda não estivesse preparado para se tornar completamente autónomo em termos de rotinas de sono.


Os outros

Evite a todo o custo a “competição parental”. Esqueça o que os outros pais dizem ou fazem. Os bebés não dormem todos da mesma maneira e não existem padrões de sono considerados “normais”. O importante é conhecer o seu bebé, adaptar-se a ele nos primeiros tempos de vida e, depois, lentamente, fazer com que ele se adapte a si e às suas necessidades de sono. Especialistas há muitos, conselhos, então, nem se fala. Mas muitos desses conselhos são incompatíveis e até contraditórios. Leia, informe-se, mas pense pela sua cabeça.


Pesadelos

Ocasionalmente, o sono dos bebés pode ser interrompido por um pesadelo. Nestas situações, as crianças podem acordar a chorar ou a queixar-se. Podem mexer-se, sentar-se, gatinhar e até andar, no caso dos mais crescidos, ainda meios a dormir. A maioria destas ocorrências são raras e de curta duração. Os pais devem acalmar o bebé e ajudá-lo a voltar a adormecer.


Quarto

O quarto do bebé deve ser confortável e acolhedor, com um ambiente tranquilo, que o ajude a acalmar e entrar no sono em paz. Escolha uma cor suave para as paredes. O azul, o verde, o rosa e o lilás são boas opções para criar uma atmosfera de tranquilidade. Não aqueça demasiado o quarto, o calor em excesso não é confortável. Tenha especial cuidado com o mobiliário: prefira materiais naturais e seguros (verifique sempre se as peças correspondem às normas europeias de segurança). Durante o dia, deixe entrar o sol, quanto mais, melhor. À noite, opte por luzes suaves: favorecem o sono e o descanso.


Rituais

Os rituais auxiliam o bebé a perceber que chegou a hora de ir dormir. Os pais podem usar algumas estratégias para ajudar o filho a fazer a transição da fase de atividade para um estado de calma. Dê-lhe um banho morno, seguido de uma massagem relaxante. Depois de o vestir e de lhe dar de mamar, embale-o suavemente e cante-lhe uma cantiga. Também lhe pode ler uma história. Coloque-o no berço enquanto ele ainda estiver meio acordado. Desta forma, ele não irá estranhar tanto o ambiente quando acordar a meio da noite (ele VAI acordar a meio da noite, pelo menos duas ou três vezes) e terá mais coragem para tentar voltar a adormecer sozinho. Procure seguir sempre a mesma rotina, à mesma hora. A coerência ajuda a regular o relógio biológico do seu bebé. No entanto, isto não significa que não possa quebrar as regras de vez em quando. As rotinas são importantes, mas a flexibilidade também.


“Soluções para noites sem choro”

Livro que apresenta um conjunto de estratégias para ajudar o seu bebé a adormecer tranquilamente sem lágrimas. A autora, Elizabeth Pantley, começa por explicar os padrões de sono dos bebés, ajudando os pais a estabelecer metas realistas. Recusa qualquer teoria que implique deixar o bebé chorar para que aprenda a dormir sozinho e explica porquê. Depois, à boa maneira americana, estabelece um programa de dez passos para pais e filhos dormirem calmamente a noite inteira. Uma edição M.Books (preço Fnac: 14,36€).


Tempo

Quantas horas precisam os bebés de dormir? Se bem que todos sejam diferentes e alguns necessitem de mais ou menos horas de sono, a grande maioria tem necessidades semelhantes. Até aos seis meses, precisam de 15 a 16 horas de sono (8,5 a 10 durante a noite e 6 a 7 durante o dia). Dos seis aos nove meses, é conveniente que durmam 14 a 15 horas por dia (10 a 11 à noite e 3 a 4 nas sestas). Aos nove meses, 14 horas de sono são suficientes (11/12 por noite e 2,5/4 de dia). Quando completam um ano, devem dormir 13 a 14 horas (11,5/12 à noite e 2 a 3 durante o dia). Estes valores são apenas médias. Não significa que o seu filho tenha de os cumprir religiosamente.


Ursinho

Muitos bebés revelam uma preferência por determinados objetos, como um cobertor ou um brinquedo, que servem de conforto na ausência da mãe. São os chamados “objetos de transição”. Podem ser uma preciosa ajuda para auxiliar o bebé a adormecer sozinho. Dão segurança e servem como sinal: “chegou a hora de ir dormir”. É óbvio que o ursinho não substitui a mãe, é apenas algo a que o bebé recorre para se sentir seguro quando a mãe não está por perto. Tenha em atenção alguns aspetos quando for escolher um brinquedo destes: verifique se não têm olhos, botões, chapéus ou roupas que possam ser removidos pelo bebé.


Voz

A sua voz tem um efeito poderoso na química cerebral do seu filho desde os tempos da gravidez. Investigações com outros mamíferos demonstraram que o nível de hormonas de stress baixa quando a cria ouve a voz da mãe, mesmo que ela não esteja por perto. Os cientistas falam de “presença acústica” de um dos pais. É por isso que sussurrar palavras meigas ou cantar uma canção de embalar ajuda tanto o seu bebé a acalmar e adormecer.


Xi-coração

Não tenha medo de estragar o seu filho com mimos. Abraços, beijinhos e festas nunca são demais. As crianças precisam tanto de contacto físico como de pão para a boca. O toque é fundamental quando os bebés acordam a meio da noite. Fazer-lhes uma festa e aconchegá-los carinhosamente dá-lhes segurança e conforto. Tudo o que precisam para voltarem a adormecer tranquilamente.


Zzzzzz

Finalmente, dorme a noite toda (não confundir, por favor, com finalmente deixa os pais dormir). Regra mais ou menos geral, não espere que isto aconteça antes dos 12 meses. Nesta idade, o período de sono noturno contínuo dura normalmente sete ou oito horas. Durante o resto da noite, os bebés podem passar por uma fase de sono leve ou até acordar.

Os pais já não se apercebem tanto destes despertares porque o bebé já vai conseguindo voltar a adormecer sem a sua ajuda. Para chegar a este ponto, é preciso tempo. Como diz Elizabeth Pantley, “isso implica paciência e pode representar apenas a primeira oportunidade de ensinar à criança essa virtude.”

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

editorial-317

alt

Um dia a repetir

Acontece todos os anos por esta altura. Sob pretexto de assinalar o Dia Internacional da Criança, recordam-se direitos...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais