editorial-317

alt

Um dia a repetir

Acontece todos os anos por esta altura. Sob pretexto de assinalar o Dia Internacional da Criança, recordam-se direitos e renovam-se boas intenções. Governantes, pais e educadores fazem da criança - nem que seja por um dia -  o centro das suas atenções e prioridades, assumindo culpas, revendo estratégias e apregoando promessas. É sempre bom (“água mole em pedra dura…), mas melhor seria se este enunciado de propósitos se estendesse aos restantes dias do ano e, sobretudo, se se concretizasse em algumas mudanças e ações.

Feito o alerta, resta assumir que também nós, Pais&filhos, aproveitámos a efeméride para “celebrar” a Criança e recuperar compromissos. E assim, nesta edição, lembramos que é importante aliviar a pressão sobre os mais pequenos e deixá-los brincar, damos sugestões para festejar este Dia Internacional em família (e repetir ao longo do ano), mostramos como ensinar a criança a ser solidária e, finalmente, falamos das vantagens de educar os mais novos para as emoções. Na base de tudo isto, a importância de “ser livre” e, sobretudo, de dar o exemplo. Porque, seja no incentivo de novos hábitos ou na vivência de novas sensações, somos nós, adultos (pais, familiares, amigos ou educadores), que temos o dever… e uma palavra a dizer. Como dizia a psicóloga Catarina Rivero no Congresso de Educação Emocional, “somos nós os responsáveis pelo bem-estar de todos”. E isso faz-se todos os dias, nos pequenos detalhes, desde muito cedo. As crianças – e a humanidade, em geral – agradecem.

Cresci com o Festival da Canção. Era o acontecimento televisivo do ano, que eu acompanhava fervorosamente. Depois, eram as letras das canções decoradas, o palco improvisado, a música a tocar no gira-discos (ou na cabeça) e a minha interpretação, desastrada mas convicta, repetida até à exaustão. E ali passava horas a fio, deliciada, a cantar e a dançar. Com o tempo (e o declínio do concurso) desliguei-me das lides festivaleiras. No passado dia 13, inspirada por uma melodia maravilhosa e uma confiança inexplicável, voltei a assistir ao Festival da Eurovisão. E, no dia seguinte, voltei a trautear repetidamente a canção vencedora. Só que, desta vez, o refrão era em português! Desafinada mas feliz e orgulhosa, lá apregoei vezes sem fim aquele hino ao amor. Como eu, muitas pessoas por esse mundo fora (e muitas crianças!). Porque a simplicidade, a beleza e o sentimento são universais… e movem montanhas. Obrigada, Salvador!


Leia outros editoriais:

Sempre perfeitas

Coisas de Crianças

Fantasia sempre

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais